Saiba como se proteger de golpes virtuais

 Saiba como se proteger de golpes virtuais

Medidas de segurança precisam ser intensificadas frente ao surgimento de novos crimes cibernéticos; veja as recomendações da FecomercioSP

A massificação da internet, especialmente com a popularização dos smartphones, deixou o brasileiro mais exposto a novas modalidades de golpes perpetrados no ambiente virtual. Oferta de produtos e serviços inexistentes, roubo de informações sigilosas — como número do cartão de crédito —, entre outros, são algumas das modalidades mais comuns de ações criminosas que têm a internet, incluindo as redes sociais, como palco principal.

À medida que o cotidiano do Brasil foi sendo mais vinculado à internet, esses golpes se multiplicaram, tanto em volume quanto em variedade. A opção de pagar contas e fazer movimentações financeiras por meio de aplicativos ou sites abriu um leque de possibilidades para os golpistas.

As ameaças virtuais ganharam um novo impulso com os constantes vazamentos de dados privados dos brasileiros, em cadastros seja de empresas, seja de órgãos públicos, que acabam nas mãos de organizações criminosas. De posse dessas informações, eles conseguem simular diversas situações de fraude e roubo. O caso mais recente, divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo em junho, denunciou que dados sigilosos de milhões de beneficiários do INSS ficaram expostos, sem um controle necessário por parte do órgão.

O custo de tudo isso é alto e gera prejuízo! De acordo com as últimas informações divulgadas pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o impacto sobre o planeta com crimes cibernéticos chega a R$ 1,5 trilhão. Segundo estimativas do Fórum Econômico Mundial, esse número seria mais alarmante, chegando a US$ 10,5 trilhões. Esses crimes envolvem ações comuns (golpe do PIX, links e sites falsos, fraudes bancárias etc.) ou outras mais sofisticadas, como a invasão de sistemas para roubo de informações ou espionagem.

Para se prevenir desses golpes, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) promove eventos para debater propostas e orientações, além de trazer algumas recomendações importantes para proteger os seus dados ou os da sua empresa. A ação criminosa digital afeta, sobretudo, os médios e os pequenos empresários que buscam segurança para continuar os próprios empreendimentos. Confira, a seguir, como se proteger dos riscos.

Fique atento a ligações e ofertas

Em meio a uma enxurrada diária de ligações de empresas de telemarketing, é muito comum que parte venha de criminosos simulando estarem a serviço de uma instituição bancária, por exemplo. Nesse caso, desconfie de abordagens oferecendo produtos financeiros, como empréstimos consignados, sem que você tenha solicitado. Sendo assim, caso receba alguma proposta, confirme a autenticidade diretamente com o gerente do seu banco.

Outro tipo de fraude telefônica é aquele em que os golpistas usam números de telefone falsos começando com “0800”. O objetivo é se passar por instituições financeiras, órgãos governamentais ou empresas conhecidas. Esses números são projetados para parecer autênticos, induzindo as vítimas a acreditar que estão recebendo uma chamada legítima. Se a vítima fornecer as informações solicitadas por essa falsa central de atendimento, podem ter os dados usados em transações fraudulentas, contratação de empréstimos em nome da vítima ou acesso a contas bancárias.

Mantenha as senhas atualizadas

Utilize senhas fortes e únicas para acessar serviços online. Evite usar a mesma senha em múltiplos sites. Uma senha forte contempla letras maiúsculas e minúsculas, caracteres e números. Dessa forma, é mais difícil para os golpistas obterem acesso a contas e perfis.

Também fique atento ao tipo de celular, tablet ou computador em que você acessa esses serviços. Se precisar utilizar o equipamento de outra pessoa, certifique-se de ter deslogado a sua conta ou perfil após utilizar o aplicativo ou a plataforma.

Não saia clicando em tudo

Uma das formas mais comuns de golpe é aquele com informações bombásticas, fake news assustadoras ou promoções imperdíveis. Por isso, não se afobe e pense duas vezes antes de clicar em qualquer link recebido por e-mails e mensagens de texto. Golpistas frequentemente se passam por instituições financeiras legítimas e enviam links que parecem autênticos. Ao clicar sem prestar atenção, você pode comprometer as suas informações. Seja cauteloso e verifique a autenticidade das mensagens antes de tomar qualquer ação.

Instale e ative os dispositivos de segurança

É fundamental instalar, em seu celular, tablet ou computador, dispositivos para impedir o acesso de criminosos. Os mais comuns são softwares de segurança, como programas antivírus e antimalware, que filtram as tentativas de ataques virtuais e acessos não autorizados. Alguns são gratuitos, mas as versões pagas geralmente são mais eficientes e confiáveis.

Outra medida importante para proteger contas, perfis e aplicativos é ativar a autenticação de dois fatores. Com isso, adiciona-se uma camada extra de segurança aos acessos: além de usar a senha, geralmente os sistemas enviam códigos de acesso para o telefone ou e-mail — o que dificulta o acesso fraudulento, e você pode ser avisado de alguma tentativa de ação criminosa.

Por fim, mantenha a atualização de todos os aplicativos e sistemas operacionais em dia. Essa medida é fundamental para evitar eventual vazamento de dados, considerando que as atualizações visam reforçar a segurança e corrigem vulnerabilidades.

Informe-se e denuncie ações suspeitas

É muito importante se manter atualizado a respeito das novas modalidades de golpe existentes na praça e sobre quais medidas de segurança podem (e devem) ser tomadas. Participe de programas de educação em segurança digital para entender melhor como proteger os seus dados. No caso de suspeita de que as suas informações foram comprometidas, entre em contato com a instituição financeira ou empresa envolvida para relatar o incidente e tomar as medidas necessárias.